HORÁRIO DE ATENDIMENTO SEG À SEX:
DAS 8:30H ÀS 12H E 14h ÀS 18:30H
Dr. André Frare - Osteopatia Cascavel

ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA - Acta Scientific Orthopaedics 2.8 (2019): 37-42. - Blog

Post na categoria Saiba mais
 
Ortopedia científica Acta
Volume 2, edição 8 de agosto de 2019

Perspectiva

Na prática clínica diária, nos deparamos com algumas situações em menos intrigante, em relação à dor de nossos pacientes.

Coluna Cervical - Uma Visão Bioemocional e Formas de Tratamentos

André Frare *
Fisioterapeuta, Osteopata, Médico, Brasil, Paraná
 
*Autor correspondente: CENTRO DE TRATAMENTO DA DOR LTDA. www.osteopatia.net.br

DOI: 10.31080 / ASOR.2019.02.0079

Recebido: 11 de julho de 2019; Publicados: 22 de julho de 2019

Há um crescente corpo de evidências de que lesões musculoesqueléticas crônicas estão associadas a mudanças neurofisiológicas em áreas distribuídas do sistema nervoso central. Tradicionalmente, um modelo biomédico baseado na crença de que a lesão estrutural em estruturas anatômicas era o único fator que conduzia as intervenções. Na osteopatia, o conceito de disfunção somática tem sido o modelo predominante que orienta a prática clínica, onde se acredita que as áreas de disfunção resultam de restrições mecânicas que afetam a função fisiológica normal. No entanto, apesar desses modelos, distúrbios musculoesqueléticos crônicos, como dor lombar crônica, continuam sendo um desafio para os osteopatas e outros profissionais de saúde.

O presente artigo revisa as alterações neurofisiológicas associadas aos distúrbios musculoesqueléticos crônicos, especificamente nas áreas sensório-motoras e cognitivo-afetivas-motivacionais do cérebro. Essas alterações neurofisiológicas parecem fazer parte do processo fisiopatológico e são consistentes com muitos dos achados clínicos associados a distúrbios musculoesqueléticos crônicos. Recomendações, inspiradas por evidências dos efeitos neurofisiológicos da terapia manual, ciência da dor e princípios que orientam as alterações neuroplásticas decorrentes de estudos em humanos e animais, são feitas para o tratamento osteopático de distúrbios musculoesqueléticos crônicos para abordar essas alterações neurofisiológicas. As interações paciente-osteopata podem ajudar a reconceituar crenças e cognições, pode alterar as respostas comportamentais e envolver as estruturas do prosencéfalo que acessam os processos autorreguladores e homeostáticos. Os efeitos neurofisiológicos do Tratamento Manipulativo Osteopático também podem ajudar a renormalizar as propriedades e a organização em áreas sensório-motoras corticais e impactar o sistema nervoso autônomo.
Vou agora demonstrar os fatores mais comuns encontrados no dia a dia, que é uma prática de vários osteopatas clínicos, de acordo com o livro principal que utilizamos para esta biodecodificação escrito por Joan Marc Vilanova Pujó.

Todo processo de avaliação, teste cartesiano e análise de imagens, nos leva a um diagnóstico estrutural muito preciso.

Mas quando tocamos o paciente, devemos sempre ter em mente que "a estrutura comanda a função" (ainda), e que as doenças são uma tentativa de autocura, uma reação biológica de sobrevivência diante de um evento emocionalmente incontrolável "( Flécher).

Cabe a nós, médicos, fisioterapeutas, psicólogos, enfermeiros, direcionar nosso paciente na busca do equilíbrio mecânico e da homeostase, mas também fazê-lo ver a verdadeira causa de sua doença.

Quando associamos algumas técnicas como Osteopatia, Bloqueios Articulares, Biopuntura, Homotoxicologia, Homeopatia, Acupuntura, temos um leque de ação muito mais amplo, vendo o paciente como um ser integral, que faz parte de um todo, e que reage a todas as informações, através de seus filtros de crenças central, que tem origem epigenética, sobrevivência e vida diária.

Quando analisamos alguns pacientes, começamos a perceber que às vezes o mesmo paciente demora para melhorar, sempre aparece na clínica com as mesmas queixas, com os mesmos sintomas, embora tenhamos feito o melhor trabalho, mas o que leva esse paciente a repetir esses padrões continuamente?

É o que chamamos de trilhas de conflito, nosso corpo está cheio de conexões centrais que nos conectam a cheiros, sabores, clima, ambientes, estressores. E são essas trilhas de conflito que costumo chamar de atalhos, que nos fazem ter as repetições dos processos de lesão.

É aí que entra a união de técnicas, que tem feito muito sucesso. Corrigindo a função, encontrando os fatores de lesão, estamos automaticamente repertorizando nossos pacientes com o método homeopático, e também desvelando os rastros de conflitos que os adoeceram.

As linhas de nosso esqueleto têm origem no terceiro tecido embrionário, e que nos enviam as seguintes decodificações bioemocionais:

• As extremidades inferiores estão relacionadas à função materna.
• Extremos superiores estão relacionados às nossas ações na vida adulta.
• Os pés estão relacionados com a nossa primeira infância.
• Os tornozelos estão relacionados a conflitos de 3 anos de idade.
• Os joelhos estão relacionados a conflitos na adolescência.
• O quadril está relacionado aos conflitos da vida adulta.
• Sacro, está relacionado aos nossos valores fundamentais.
• Coluna, está relacionada à nossa estrutura pessoal, nossas idéias e pensamentos.
• As vértebras lombares estão relacionadas às nossas relações interpessoais.
• As vértebras dorsais estão relacionadas a conflitos familiares.
• As vértebras cervicais estão relacionadas à nossa comunicação verbal.
• Ombro e úmero estão relacionados às nossas responsabilidades como pais e seres humanos.
• Cotovelo, está relacionado com a nossa atividade profissional.
• O antebraço está relacionado às nossas ações.
• Punhos, está relacionado a gestos precisos em nosso trabalho.
• As mãos, estão relacionadas aos nossos gestos mais preciosos, de afeto e carinho, de doação e recebimento.

Estes são exemplos genéricos, que nos levam a novas pesquisas em cada uma das funções específicas. Aqui vou relatar os da coluna cervical, que aparecem mais comumente na prática diária.

As vértebras cervicais têm o senso comum de proteção da medula espinhal, sustentação da estrutura e movimento. Em particular cada vértebra tem o sentido de proteger e distribuir o sistema nervoso central em relação às suas conexões, e especificamente a cervical com seus movimentos de comunicação verbal e não verbal.

O conflito geral das vértebras cervicais é em torno da desvalorização da nossa comunicação. Desvalorização intelectual com injustiça, falta de liberdade e paz. Impotência diante da necessidade de abaixar a cabeça.

• C1 - (atlas) - (língua, cabeça, cérebro, ouvido interno e médio, pituitária, pineal, sistema nervoso simpático) - Está relacionado para a depressão. Conflito de pessoas que percebem as coisas, mas não se atrevem a falar. Pode ser a comunicação com a família e a e comunicação no trabalho.

 Entre C1 e C2: Conflito de perda de filhos.

C2 (axis) - (olhos, seios nasais e paranasais, frontal, língua, nervos ópticos e auditivos): Conflito entre aqueles que percebem as coisas, mas não ousam falar. Conflito de sexualidade como tabú (também relacionado até a cintura pélvica). Conflito de integração de informações. Conflitos com partidas ou expulsões de casa. A direita, conflito com o mais íntimo, a esquerda, conflito com o exterior.

Entre C2 e C3: Conflito de falta de comunicação entre mãe e filho.

 C3 - (face, ossos faciais, dentes, orelha externa, laringe e vesícula biliar, bochecha) - Conflito de desvalorização estética e  de contato. Conflito de comunicação verbal (laringe). Conflitos de oposição, injustiça e ressentimento crônico com separação. A direita, com o mais íntimo. A esquerda em relação a pessoas do nosso exterior.

• C4 - (nariz, boca e tubas uterinas) - Conflito de ressentimento para um compromisso justo. Conflitos de comunicação verbal e o conceito concreto e real de vida. Conflito de comunicação no trabalho. Conflitos de oposição e injustiça crônica. À direita não posso me expressar com meus amigos mais próximos. A esquerda eu não posso me expressar em relação ao mundo exterior.

• C5 - (faringe, cordas vocais, glândulas salivares e amígdalas) - Conflito de injustiça e conflitos de deslocamento. Conflitos de comunicação para encontrar uma solução baseada na neutralidade. “Não posso fazer uso da minha inteligência para me comunicar”. A direita, conflito de expressão em relação ao íntimo. A esquerda, conflito de expressão com o mundo exterior.

 Entre C5 e C6 - Conflito de desvalorização por não falara palavra certa para tomar uma decisão. Não falar o que gostaria realmente de ter falado.

• C6 - (amígdalas, músculos do pescoço e ombros): Conflito de injustiça e desvalorização. Conflito de abaixar a cabeça, memórias da infância (trilho de conflito).

 Entre C6 e C7 - Conflito de oposição mascarado, oculto. Separação dolorosa e injusta da mãe.

C7 - (tireóide, paratireóide, cotovelo e ombros) - Conflito de grande injustiça e submissão que se arrasta inconscientemente. Conflito de abaixar a cabeça pelas injustiças atuais.

• Entre C7 e T1 (dobradiça torácica) - Conflito de Injustiça e falta de prazer. Conflito de perigo iminente e permanente.

As estruturas anatômicas em relação às lesões cervicais, também fazem o conjunto de decodificação bioemocional, sendo os principais:
A vascularização da cabeça, a inervação dos braços, o nervo vago e outros nervos.

Vascularização da cabeça
 
Artéria vertebral: Artéria principal de irrigação da coluna vertebral. Origina-se no primeiro terço da artéria subclávia, e sobe em direção ao crânio através do forame das vértebras cervicais C6 a C1, até que penetra no crânio através do forame magno. Então, as artérias vertebrais direita e esquerda se fundem no osso occipital formando um clivo para formar a artéria basilar. Em seu caminho, ele emite ramos vasculares para os músculos profundos do pescoço e ramos espinhais para a medula espinhal e para as vértebras.

Artéria carótida comum: Localizada abaixo do esternocleidomastóideo e é acompanhado pela veia jugular interna e o nervo vago (feixe vasculonervoso do pescoço). Ele sobe no pescoço, dentro da bainha do feixe vasculonervoso e é atravessado pelo ventre superior do o músculo omo-hióideo e pelo tireodeo superior e médio. Sua extremidade superior está dilatada (seio carotídeo).
Ao nível da bifurcação da artéria carótida comum, existe um corpúsculo chamado corpo carotídeo, que é um barorreceptor, sensível às variações da pressão arterial. A artéria carótida comum termina no nível da parte superior borda da cartilagem tireóide, bifurcando-se na artéria carótida e artéria carótida externa.

Artéria carótida interna: Sobe no pescoço, dentro do bainha do feixe vasculonervoso do pescoço, de sua origem até que penetre na base do crânio no
canal carotídeo. À medida que sobe pelo pescoço, é atravessado pelo nervo hipoglosso, a artéria occipital e o ventre posterior do músculo digástrico e pelos músculos hióide, faríngeo e estiloglosso.

Artéria carótida externa: Origina-se da bifurcação da artéria carótida comum e está localizada fora do feixe vasculonervoso do pescoço. Após a bifurcação, ele passa para trás o ventre posterior do músculo digástrico e é direcionado para a glândula parótida. Atrás do côndilo da mandíbula e divide em seus ramos terminais, a artéria maxilar e a artéria temporal superficial.
As principais veias de drenagem do pescoço são as veias jugulares. No pescoço, encontramos quatro pares de veias jugulares. Essas veias jugulares são chamadas de interna, externa, anterior e posterior.

Veia Jugular interna: vai se anastomosar com a veia subclávia para formar o tronco braquiocefálico venoso. Veia jugular externa: flui para a veia subclávia. Veia jugular anterior: origina-se superficialmente no nível da região supra-hióidea e termina no final da veia jugular externa. Veia jugular posterior: origina-se próximo à veia occipital e desce posteriormente ao pescoço para fluir para o tronco braquiocefálico venoso.
 
Inervação dos braços
 
O membro superior é inervado pelo plexo braquial localizado entre o pescoço e a axila, formados pelos ramos anteriores dos quatro nervos espinhais cervicais inferiores (C5, C6, C7, C8) e o primeiro torácico (T1).

O plexo braquial está localizado lateralmente à coluna cervical e fica entre os músculos escaleno anterior e médio, posterior e lateralmente ao músculo esternocleidomastóideo.

O plexo passa posteriormente à clavícula e segue a artéria axilar sob o músculo peitoral maior.

Os ramos ventrais do quinto e do sexto nervos cervicais (C5- C6) formam a parte superior do tronco; o ramo anterior do sétimo nervo cervical (C7) forma o tronco médio; e os ramos anteriores do oitavo nervo cervical e do primeiro nervo torácico (C8-T1) formam o tronco inferior.

Os três troncos, localizados na fossa supraclavicular, são divididos em dois ramos, um anterior e um posterior, que formam os fascículos, localizados ao redor da artéria axilar. Os ramos anteriores dos troncos superior e médio formam o fascículo lateral; o ramo anterior do tronco inferior forma o fascículo medial; e os ramos posteriores dos três troncos formam o fascículo posterior. Nas bordas inferior e lateral do músculo peitoral menor, os fascículos são subdivididos nos ramos terminais do plexo braquial.

Os ramos do plexo braquial podem ser descritos como supraclaviculares e infraclaviculares.

Ramos supraclaviculares:
 
Nervos para os músculos escalenos e pescoço longo: Eles originam-se dos ramos ventrais do colo cervical inferior
nervos (C5, C6, C7 e C8), perto de sua saída do forame intervertebral.

Nervo frênico: Anteriormente ao músculo escaleno anterior, o nervo frênico está associado a um ramo vindo do quinto nervo cervical (C5).

Mais detalhes do nervo frênico no plexo cervical.

Nervo Dorsal Escapular: Do ramo ventral de C5, ele inerva o levantador escapular e o músculo romboide.
Nervo torácico longo: É formado pelos ramos de C5, C6 e C7 e inerva o músculo serrátil anterior.
Nervo Muscular Subclávio: Origina perto da junção dos ramos ventrais do quinto e sexto nervos cervical (C5 e C6) e geralmente se comunica com o nervo frênico e inerva o músculo subclávio.
Nervo supraescapular: Originado no tronco superior (C5 e C6), inerva o supraespinhal e infraespinhal músculos.

Ramos infra-claviculares
 
Esses ramos se ramificam dos fascículos, mas suas fibras podem ser seguidas de volta aos nervos espinhais.

Os seguintes nervos emergem do fascículo lateral
 
Tórax lateral: Dos ramos do quinto ao sétimo nervos cervicais (C5, C6 e C7). Inerva o ventre profundo do músculo peitoral maior;

Nervo Musculocutâneo: Derivado da região ventral ramos do quinto ao sétimo nervos cervicais (C5, C6 e C7). Inerva a parte anterior do braço, bíceps braquial e músculos coracobraquiais;

Raiz lateral do nervo mediano: Derivado da região ventral ramos do quinto ao sétimo nervos cervicais (C5, C6 e C7). Inerva os músculos da região anterior do antebraço e polegar curto, bem como a pele do lado lateral da mão.

Os seguintes nervos emergem do fascículo medial
 
Peitoral Medial: Derivado dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e o primeiro nervo torácico (C8 e T1). Inerva os músculos peitorais maiores e menor;

Nervo cutâneo medial do antebraço: Derivado dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e o primeiro nervo torácico (C8 e T1). Liga a pele ao bíceps até perto do cotovelo e se move em direção ao ulnar lado do antebraço até o punho;

Nervo cutâneo medial do braço: Que se origina dos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e o primeiro nervo torácico (C8, T1). Inerva o medial parte do braço;

Nervo ulnar: Originado nos ramos ventrais do oitavo nervo cervical e o primeiro nervo torácico (C8 e T1). Inerva o flexor ulnar do carpo, metade do flexor ulnar profundo dos dedos, polegar adutor e parte profunda do polegar flexor curto. Também inerva os músculos de a região hipotenar, terceiro e quarto dedos e todos interósseos;

Raiz medial do nervo mediano: Originado de ramos ventrais do oitavo nervo cervical e o primeiro nervo torácico (C8 e T1). Inerva os músculos da região anterior do antebraço e curto da polegar, bem como a pele da face lateral da mão.

Os seguintes nervos emergem do fascículo posterior
 
Subescapular superior: Originado dos filos nervosos do quinto e sexto nervos cervicais (C5 e C6). Inerva o músculo subescapular;

Nervo toracodorsal: Originado nos filamentos nervosos do sexto ao oitavo nervos cervicais (C6, C7 e C8). Inerva o músculo latíssimo do dorso;

Nervo subescapular inferior: Originado dos filamentos do quinto e sexto nervos cervicais (C5 e C6). Isto inerva os músculos subescapulares e redondo maior;

Nervo axilar: Originado dos ramos do quinto e sexto nervos cervicais (C5 e C6). Inerva o músculos deltóides e redondos menores;

Nervo radial: Originado dos ramos do quinto ao oitavo nervo cervical e ao primeiro nervo torácico (C5, C6, C7, C8 e T1). Inerva os músculos tríceps braquial, braquiorradial, extensor radial longo e curto do carpo, supinador e todos os músculos da região posterior do antebraço.
 
 
Pares de nervos do crânio que passam pela coluna cervical
 
É um nervo misto que emerge do sulco lateral posterior do bulbo, em forma de filamentos radiculares dispostos em linha vertical. Esses filamentos se reúnem para formar o tronco do nervo glossofaríngeo, que sai do crânio pelo forame jugular.

Em seu trajeto, através do forame jugular, o nervo apresenta dois gânglios, superior e inferior, formados por neurônios sensíveis. Ao sair do crânio, o nervo glossofaríngeo tem um trajeto descendente, ramificando-se na raiz da língua e da faringe.

Nervo glossofaríngeo
 
Destas, a mais importante é representada pelas fibras aferentes viscerais gerais, responsáveis pela sensibilidade geral do terço posterior da língua, faringe, úvula, tonsila, tuba auditiva, além do seio carotídeo e corpo. As fibras viscerais eferentes gerais pertencentes à divisão parassimpática do sistema nervoso autônomo e terminando no gânglio óptico também são dignas de nota. Desse gânglio, as fibras nervosas emergem do nervo aurícolo-temporal que inervam a glândula parótida.

O nervo vago é misto e essencialmente visceral. Emerge do sulco lateral posterior do bulbo na forma de filamentos radiculares que se juntam para formar o nervo vago. Emerge do crânio pelo forame jugular, atravessa o pescoço e o tórax, terminando no abdome. Nesse trajeto, o nervo vago dá origem a vários ramos que inervam a faringe e a laringe, entrando na formação de plexos viscerais que promovem o desenvolvimento do sistema nervoso autônomo.

Inervação das vísceras torácicas e abdominais.

Nervo vago
 
O vago possui dois gânglios sensoriais: o gânglio superior, localizado ao nível do forame jugular; e o gânglio inferior, localizado logo abaixo desse forame. Entre os dois gânglios, o ramo interno do nervo acessório está ligado ao vago.

Fibras aferentes viscerais gerais: conduzem impulsos aferentes originários da faringe, laringe, traquéia, esôfago, vísceras torácicas e abdômem.
Fibras eferentes viscerais gerais: são responsáveis pela inervação parassimpática das vísceras torácicas e abdominais.

Fibras eferentes viscerais especiais: elas inervam a faringe e músculos laríngeos.

As fibras eferentes do vago se originam em núcleos localizados no bulbo e as fibras sensoriais nos gânglios superiores e inferiores. Formado por uma raiz craniana e uma medula espinhal. A raiz espinhal é formada por filamentos que emergem da face lateral dos primeiros cinco e seis segmentos cervicais da medula oblonga, constituindo um tronco que penetra no crânio pelo forame magno. Este tronco é unido por filamentos da raiz craniana que emergem da parte posterior sulco lateral do bulbo.

O tronco é dividido em um ramo interno e um externo.

O interno se conecta ao vago e se distribui com ele, e o ramo externo inerva os músculos trapézio e esternocleidomastóideo.
 
Nervo acessório
 
• Fibras eferentes viscerais especiais, que inervam os músculos laríngeos;

• Fibras eferentes viscerais gerais, que inervam as vísceras torácicas.

As fibras da raiz craniana que se ligam ao vago são:
 
Nervo essencialmente motor. Ele emerge da lateral anterior sulco do bulbo na forma de filamentos de raiz que se unem para formar o tronco nervoso. Emerge do crânio através do canal hipoglosso e se dirige aos músculos intrínsecos e extrínsecos da língua (está relacionado à sua motricidade).
Suas fibras são consideradas eferentes somáticas.

Biodecodificação emocional de estruturas anatômicas
 
Artérias - vasos sanguíneos responsáveis por trazer oxigênio sangue para todo o corpo. Eles fazem parte do terceiro e quarto tecido embrionário. Eles entram em conflitos de desvalorização. Principal conflito de desvalorização: Conflito de desvalorização de si mesmo, com sensação de incapacidade e minusvalia, conflito de não poder manter seu território, raiva, cólera.

Veias: vasos sanguíneos que coletam o sangue dos capilares e devolvê-los ao coração. Eles fazem parte do terceiro tecido embrionário. Conflitos de desvalorização. Conflito de desvalorização de si mesmo, conflito de não poder assumir sua conduta, de não poder carregar seu fardo, sente-se condenado.

Plexo braquial: quarto estágio embrionário. Está relacionado a conflitos de injustiça e falta de comunicação. O contexto geral faz parte da seguinte área de ação bioemocional: Não sou capaz de levantar os braços para agir. Ações contraditórias e mensagens contraditórias em relação ao ato de executar e conceitos morais.

Nervos em geral: dutos transmissores elétricos que comunicam diferentes partes do corpo. Eles fazem parte do quarto estágio do desenvolvimento embrionário. Conflitos primários de desvalorização, medo e conflito de ordens e hierarquia.

Tendo essa visão bioemocional do princípio inconsciente da lesão, podemos então iniciar tratamentos eficazes no nível osteopático de correção do trauma mecânico, obedecendo aos limites anatômicos individuais e também ao grau de dor de cada paciente, através do tratamento do sistema nervoso autônomo. Podemos então utilizar técnicas de osteopatia craniana, terapia craniossacral, mobilização articular, técnicas viscerais de liberação da fáscia, drenagem e redirecionamento arterial, linfático e venoso, além das técnicas de HVLA.

Tratamentos
 
Com isso, o tratamento já teria um grande sucesso. Em alguns casos mais graves, a necessidade de tração cervical e imobilização temporária com colar cervical também são indicadas.

O uso da Biopuntura com drogas homotoxicológicas tem se mostrado muito eficaz nesses processos de lesões cervicais mecânicas, utilizando compostos injetáveis em pontos dolorosos específicos, medicamentos como Traumeel, Zeel, Spascupreel.

Além da utilização de pontos de acupuntura para harmonizar o fluxo de energia do local, pontos como Jiang Jing (VB21 ou GB21), Feng Chi (VB20 ou GB21), também utilizam compostos homotoxicológicos.
 
Volume 2, edição 8 de agosto de 2019
© Todos os direitos são reservados a André Frare.
Citação: André Frare. “Coluna Cervical - Uma Visão Bioemocional e Formas de Tratamentos”.Ortopedia científica Acta 2.8 (2019): 37-42.

COMPARTILHE

OUTRAS POSTAGENS